Mestre Luiz Alves morre aos 53 anos no Rio

Share it

Luiz Alves, 53 anos, faleceu na noite desta sexta-feira no Rio de Janeiro. Líder da Boxe Thai, formador de diversos craques da trocação e talismã de Rodrigo Minotauro, Alves teve um acidente vascular cerebral (AVC) enquanto dirigia, na manhã do dia 26 de janeiro, e não se recuperou.

Grande mestre Luiz Alves com troféu do Pride em 2003, após a antológica vitória de Minotauro sobre Cro Cop, numa foto inédita do GRACIEMAG.com. Vais deixar saudade, mestrão.

Nascido no Ceará, Luiz Alves veio para o Rio de Janeiro aos 12 anos, quando iniciou seu treinamentos no judô na antiga Academia Saga, no Catete, como conta o site da equipe Boxe Thai. Logo depois, ele foi levado para treinar na Gama Filho onde ficou até 1984. O taekwondo era uma das modalidades do momento, e Luiz Alves começou a treinar a arte, com o amigo também falecido Flávio Molina. Ao se destacar cada vez mais no taekwondo, foi deixando o judô de lado dedicando-se integralmente a arte. Com disciplina e um talento natural para luta, logo se tornou campeão estadual, campeão brasileiro e se classificou entres os melhores do esporte em evento no Equador.

Em 1979, o mestre pioneiro Nélio Naja selecionou alguns nomes do Rio para ensinar a prática do muay thai até então desconhecida dos brasileiros em outros estados. Se destacaram na equipe carioca: Luiz Alves, Flávio Molina, Wellington Narany, Gueri, Roberto, Pelé, Cocada, entre outros. Um ano depois Nélio Naja fez o primeiro campeonato de muay thai: Rio de Janeiro X Curitiba, onde a equipe carioca venceu por 4 a 2 com a ajuda de Alves.

Depois disso, Luiz começou a ministrar aulas junto com Molina e Narani, quando criaram a Academia Naja no Largo do Machado. Em 1984, Alves fundou a Academia Boxe Thai. Com vários intercâmbios no exterior, aprendeu novas técnicas com os melhores pesos pesados do mundo na Holanda, e também ia à Tailândia para beber da fonte e treinar nos melhores centros da luta do país asiático.

Tornou-se presidente da Confederação Brasileira de Muay Thai, e treinou, entre outros, Artur Mariano, Amaury Bitetti, Zé Mario, Vitor Belfort, Murilo Bustamante, Alex Gazé, Rodrigo Minotauro, Rogério Minotouro e Ricardão Moraes. Cordial e exigente com os alunos, Alves vai deixar saudade, mas seus ensinamentos e pupilos ficam.

Ler matéria completa Read more
There are 11 comments for this article
  1. Ruy Menezes at 11:31 pm

    O Brasil perde uma pessoa maravilhosa e um treinador que dispensa comentarios, que DEUS dê paz e muita serenidade a familia do mestre.
    Descanse em paz mestre Luiz Alves e tenha certeza que vc fez um exelente trabalho enquanto estava aqui.

  2. Andre Negao at 8:53 am

    Sou Criado na Tijuca (perto do Grajau) e cresci escutando e vendo a dedicacao deste mestre a arte marcial,apesar de sermos de artes diferentes, sempre tive um grande respeito e admiracao por este mestre que partiu e que deixa saudades e muitos talentos tb.

    Os nossos sentimentos,

    Andre Negao Terencio e Hannette Staack

  3. felipe amorim at 9:18 am

    é incrível como a vida tem surpresas desse tipo, lembro que há alguns anos atrás na revista tatame, mestre luís alves já preparava seu filho para que se tornasse um grande campeão, e agora novo desse jeito, parte precocemente, o que a vida nos reserva é incerteza pura…..

  4. Marianny at 1:23 pm

    Tio, vai com Deus, sentiremos muito a sua falta, mas nunca tristeza.
    Sua obra, daremos continuidade, seus desejos serão concretizados, continuaremos seguindo seus ensinamentos!
    Lembraremos sempre desta figura brincalhona e calma… sentirei falta de um parceiro p falar mal dos outros… só vc fechava comigo!
    Enfim, descanse em Paz e saiba que contimuarei cudando da Maria e da minha Tia.
    Muita Luz em seu caminho!

  5. Marcão Mundo novo at 9:42 pm

    Luiz Alves além de um ser humano impar,era estremamente bem humorado e cheio de vida , tive o prazer de conhecer , e com ele e mais alguns amigos fundamos para brincarmos o carnaval, o bloco carnavalesco Oco do Mundo , o luiz fazia questão de todo ano comprar a camiseta para sair no bloco , este ano infelizmente ele já estava hospitalizado e chegamos até a cogitar de não sair ,porém a criançada da rua que é o carro chefe do bloco, insistiu e saimos assim mesmo , mas com a seguinte condição: sairmos só com a bateria sem voz , em respeito ao amigo e fundador.
    Falar do Luiz Alves é falar de humildade sem sub-serviência, é falar de sinceridade em tempo integral , nós amigos e vizinhos do Luiz Alves não conseguiamos na maioria das vezes ter a dimensão do que ele representava , do mito em vida que ele foi,porque o Luiz nunca se valeu
    deste fato prá ser melhor do que ninguem em momento algum.
    Perdemos o amigo e irmão do dia a dia,das peladas de fim de semana que ele raramente faltava,e o que fica é o legado de uma ser humano diferenciado, que literalmente com muitas lutas,se tornou um exemplo a ser seguido para todos do mundo do esporte ou não .
    Perdemos o Luiz Alves ,e o mundo ganhou definitivamente o mito das Artes-Marciais .

  6. luiz garcia at 3:06 pm

    Queria deixar uma mensagem de saudades ao meu grande mestre. Começamos na
    na naja, passamos pela gym e finalmente pela corpore. Que seus filhos tenham a sapiência do pai (MEU QUERIDO CEARÊS). Descanse em paz. Um abraço Luiz Garcia.

  7. andre alves at 5:53 pm

    andre alves com certeza deixou saldades tive o previlégio de treinar na box tay com essa ferra humana que é e sempre sera luiz alves aprendi muito com ele; DEUS o tenha um forte abraço irmao luiz alves .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *