Parrumpinha comenta estreia no Strikeforce e lembra rivalidade com Robinho

Share it

Parrumpinha em ação. Foto: divulgação

A exemplo de lutadores como Randy Couture, Marcos Damatta, conhecido como Parrumpinha, estreou no MMA depois dos 30 anos de idade. Antes, o faixa-preta de Carlson Gracie marcou época nos dojôs, numa época considerada por ele os anos dourados do Jiu-Jitsu competitivo. Invicto no MMA e prestes a estrear no Strikeforce, o que acontece no dia 30 de janeiro, Parrumpinha conversa com o GRACIEMAG.com. Além de comentar a chance na importante organização, lembra da rivalidade com Robson Moura.

Você estreou no MMA relativamente tarde. O que pensa da boa campanha e agora a chance no Strikeforce?

Foi muito tempo no Jiu-Jitsu e, quando cheguei nos Estados Unidos, meu trabalho era só ajudar o (Ricardo) Libório na American Top Team. Aos poucos entrei na parte de vale-tudo como treinador, até começar a cuidar de alguns atletas de ponta como o Gesias Cavalcante, entre outros. Hoje sou um dos principais treinadores e esse tempo me serviu de experiência para o MMA, porque tive a oportunidade de estar em grandes eventos como Pride e UFC. O auge do atleta é a partir dos 30 anos. Hoje estou com 36 e consegui um bom recorde de sete vitórias, com cinco lutas decididas no primeiro round. Tudo se encaixou de uma maneira legal e estou muito feliz por estrear no Strikeforce. Vinha conversando com Dream e WEC, mas foi o Strike que veio com uma proposta concreta. Estou super feliz.

O Renzo Gracie volta a lutar aos 43 anos de idade. O Randy Couture luta aos 46. Qual o segredo para ter vida longa no esporte?

Você citou dois caras que são exemplos. O Randy ainda é um cara de ponta no UFC e o Renzo é um ídolo, um cara que não precisa provar mais nada, não precisa lutar pelo dinheiro e nem fazer mais nada. Já tem o nome dele e atletas excelentes. Ele faz porque gosta e é um exemplo para as novas gerações. Eu me espelho muito nesses caras. A verdade é que quem se cuida consegue lutar por muito tempo. Eu nunca bebi, usei drogas ou fumei. Isso me ajuda muito. Quanto mais se preparar e se cuidar é a chave para conseguir vida longa no esporte.

Você conseguiu títulos importantes no Jiu-Jitsu. Também tinha uma grande rivalidade com o Robinho. Sente saudade dessa época?

Cara, me amarrava e até me deu uma nostalgia agora. Foi uma época de ouro para o Jiu-Jitsu. Não que hoje não seja, mas é que atualmente é tão profissional que não tem mais tanto aquela rivalidade Carlson Gracie, Gracie Barra, Nova União e Alliance. Tenho muita saudade. Quanto ao Robinho, acho que é a primeira vez que comento isso à imprensa: chegamos a treinar juntos aqui nos Estados Unidos. Então aquela rivalidade foi boa para agitar as torcidas, mas, graças a Deus, não passou dos dojôs. Hoje a gente se fala, o cara é um exemplo e me venceu duas vezes. Admiro muito o Robinho.

Como vê o Jiu-Jitsu competitivo atual?

Hoje a qualidade técnica está cada vez melhor. Vemos garotos que aparecem de academias que não são dos grandes centros. Até o próprio Marcelinho Garcia, por exemplo, foi descoberto no interior. O foco ainda é Rio, São Paulo e Manaus, mas em todos os lugares do Brasil há a evolução técnica e surgem bons lutadores. O Jiu-Jitsu está longe de perder a hegemonia no mundo das lutas. Basta ver os campeões de Abu Dhabi. Fico feliz, porque acho que ajudei um pouco nisso, até no período como árbitro da Confederação. Apitei algumas das melhores lutas do mundo como árbitro central. Estava ali do lado, aprendendo todas as técnicas. Aprendi muito arbitrando e só tenho a agradecer a CBJJ.

Fale sobre seu adversário no Strikeforce.

Vou enfrentar o Pablo Afonso, que até passou um tempo na American Top Team treinando. Ele é um cara que pula de academia em academia. Tem um recorde bom, é bom de grappling e um atleta novo, que vem com toda vontade para cima de mim. Será uma luta boa, mas espero uma vitória, porque estou bem treinado. Quero desenvolver um bom Jiu-Jitsu e provar mais uma vez a eficiência.

Veja um highlight com o lutador:

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. Ruy Menezes, China top team at 12:11 pm

    Fico feliz em ver um amigo e excelente atleta como o Parrumpinha que conheci com 5 anos de idade.
    Sucesso amigo e que vc continue ganhando e sendo o mesmo cara de sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *