10 coisas que aprendi em 10 anos como jornalista numa revista de Jiu-Jitsu e MMA

Há dez anos, eu entrava para o mundo apaixonante do Jiu-Jitsu. Foto: Dan Rod/GRACIEMAG

Há dez anos, eu entrava para o mundo apaixonante do Jiu-Jitsu. Foto: Dan Rod/GRACIEMAG

A vida voa quando estamos nos divertindo, mas é isto aí, completei esses dias uma década como repórter da sua revista de Jiu-Jitsu favorita, GRACIEMAG. Decidi então listar o que aprendi em todos esses anos de viagens exóticas, lições preciosas e observação séria.

1. Glória Maria e o mafioso japonês

Uma vez eu estava em Tóquio e o Fedor Emelianenko me abordou com uma garrafa da mais pura vodca russa e uma revistinha de sacanagem. Eu estava de serviço, Imperador, e segui meu caminho no corredor do hotel. Era 2003, e na mesma viagem saí pelas ruas com Wanderlei Silva e a repórter Glória Maria. Foi quando um senhor veio falar comigo e o pessoal da Chute Boxe. Para mostrar que também era casca-grossa, o japonês arregaçou as mangas e exibiu a tatuagem e o dedo mindinho faltando, o código de honra da máfia Yakuza. Aprendi rápido a inestimável lição de que o mundo do MMA é cercado de loucos por todos os lados – e me senti em casa.

2. Faixa-vermelha em apuros

Uma vez eu estava na zona sul do Rio e vi um faixa-vermelha dentro de um triângulo arrochadíssimo, aplicado por um faixa-preta totalmente sem noção. O mestre, de idade avançada, quis apontar aonde o jovem visitante estava errando, mas o amalucado não se fez de rogado e encaixou o golpe. A adrenalina ligou o turbo no faixa-vermelha, que disse: “Começou, agora continua”. Ele então saiu do sufoco do modo mais simples possível. E passou a guarda e finalizou num tipo de kimura que eu nunca vira antes. Aprendi que, no Jiu-Jitsu como no jornalismo, nada supera a técnica. E os anos de experiência.

3. A melhor fotografia de Jiu-Jitsu

Uma vez eu estava na Barra da Tijuca, na redação antiga, e ficamos na dúvida de que foto usar para ilustrar certa luta de Jiu-Jitsu. Havia uma bem razoável com o vencedor se dando bem, e uma imagem espetacular do perdedor dando sufoco. O impasse continuava, até que alguém se lembrou do sábio “ensinamento jornalístico” de Carlos Gracie Jr: “Se alguém publica uma foto sua de quatro, calça arriada, e um sujeito chegando, de que adianta você explicar na legendinha ou no texto que não é nada daquilo?”. Após boa gargalhada, escolhemos a foto em que o vencedor se dava bem.

4. O dia em que Steve Jobs salvou minha vida

Uma vez eu viajei até o Oriente Médio e quase venci o Caio Terra – numa corrida de burricos. Estávamos na Jordânia para um campeonato, e decidimos subir as montanhas de Petra ao cair da tarde. Escureceu e só enxergamos os abismos graças ao Ipod salvador do Caio (obrigado, Steve Jobs). Fomos resgatados por três moleques e seus burricos. Aprendi que o repórter deve estar sempre a par dos recursos tecnológicos, pois isso pode salvar sua vida, literalmente. Descobri também que, em corrida de burrico, vence sempre o mais leve.

5. Ouça o conselho de jornalistas veteranos

Uma vez fui escalado para minha primeira viagem jornalística ao exterior, para cobrir um evento de MMA (vídeo acima). O editor-chefe à época, Luca Atalla, me chamou para discutirmos as pautas. Sugeri entrevistar o Randy Couture, e ele deu força. Pediu, no entanto, que conversasse também com um personagem ainda mais interessante: um dirigente meio careca, meio cabeludo, que tinha ideias arejadas para o futuro do UFC. “Eu, hein”, pensei na hora, “como um cartola pode ser um personagem melhor que um atleta?”. Uma vez lá, não me empenhei o suficiente e não entrevistei Dana White. Aprendi a jamais duvidar dos conselhos de um repórter veterano.

6. O valor de saber o que fazer no chão

Uma vez eu estava de folga, num samba, e fui deixar uma morena em casa. A noite agradável virou pesadelo num segundo, quando o ex-namorado da moça apareceu furibundo, e bêbado. O pior? Eu ainda não treinava Jiu-Jitsu. Incapaz de evitar o conflito, comecei a repassar mentalmente as técnicas de montada que havia apurado dias antes, com o faixa-coral Redley Vigio e seu filho, Patrick. Deu certo: nos embolamos, caí montado (pés colados nas nádegas do agressor, peso no quadril), e com dois tapas encerrei a querela, sem ninguém se machucar. A não ser o coração partido do sujeito.

7. Estrada, poeira e solavancos para ver Anderson Silva

Uma vez eu encarei, sem piar, 1.126km de estrada (700 milhas), do Rio de Janeiro a Vitória da Conquista, na Bahia. O motivo foi nobre: testemunhar o retorno aos ringues de Anderson Silva, que estava meio desanimado com a carreira de MMA. Na piscina do hotel, sem fãs nem interrupções, conversei com Anderson sobre seu início no boxe do Corinthians, seus primeiros treinos com os Nogueira, e os sonhos para o futuro. Fico pensando se o rei do UFC ainda sente saudades daquele vestiário vazio, de poder ler seu livrinho sem ser perturbado antes da luta, e acho que, no fundo, ele não sente tantas saudades não.

8. Ronaldo Jacaré e os vagalumes no breu

Uma vez eu me vi dentro do triângulo do Ronaldo Jacaré, e quase dormi. Enxerguei os “vagalumes no breu” que todo lutador de Jiu-Jitsu vê quando apaga num golpe. Jaca não fez por mal, estava apenas me mostrando como seu arrocho pouco usual era tão eficiente quanto o clássico, mas fiquei grogue. Aprendi ali que, no mundo do MMA, o relacionamento entre repórter e personagem é bem característico. Como manter a relação supostamente ideal entre jornalista e fonte, “a mesma proximidade cordial que você tem com seu vizinho do sétimo andar”, nas palavras do sábio Elio Gaspari, se muitas vezes é preciso rolar no chão com o entrevistado? A solução é cair dentro sempre, mas com respeito à ética e, em especial, ao leitor.

9. O brasileiro mais durão

Uma vez a “Men’s Journal” emplacou uma reportagem com os 25 homens mais durões dos EUA (com Mel Gibson e Matt Hughes bem na lista), e começamos a debater na redação quem seriam os brasileiros mais cascudos vivos. O papo virou pauta, e a equipe a executou com maestria, elevando Helio Gracie ao primeiro posto, numa seleção de respeito que tinha do surfista de ondas grandes Rodrigo Resende ao escritor Rubem Fonseca, passando por embaixadores e senadores. A revista foi bastante elogiada, até em Brasília, mas faltava descobrir o que o personagem da capa achara. Ouvimos então a opinião franca do professor Helio: “São umas bestas, puseram na lista a bicha de tangas do Gabeira”. Aprendi que, como ensinou Churchill, sucesso é ir de derrota em derrota sem perder o entusiasmo.

10. Rodrigo Minotauro e o pedido materno

Uma vez eu estava tomando café da manhã com Minotauro no Japão, e notei a chegada do ex-jogador de basquete Paulo Cesar “Giant” Silva. Ele estava solitário, com o semblante triste e melancólico que só os lutadores de marmelada e os palhaços têm. Apresentei-o ao Rodrigo e à mamãe Nogueira, que viajara com os filhos. Quando Giant Silva se afastou, a mãe ralhou com Minota: “Me promete uma coisa: com esse cara, desse tamanho, você jamais vai lutar, ouviu meu filho?”. Aprendi, ali, a escrever sobre vale-tudo com um mínimo de sensibilidade, sem verbos como “triturar” ou “atropelar”. Afinal, as mamães também lêem GRACIEMAG.

Compartilhe


18 respostas para “10 coisas que aprendi em 10 anos como jornalista numa revista de Jiu-Jitsu e MMA”

  1. Sensacional cara, parabéns pelos seus 10 anos na melhor revista de lutas do Brasil!

  2. Irado! Parabéns Dunlop! Sou fan! Se cuida meu amigo e que venham muitas mais historias!

  3. Muito bom esses 10 itens!!!! E parabéns pelos 10 anos!!!

  4. Silvio Fancio disse:

    Ótima matéria! Show!

  5. Francis F. Abramson disse:

    Mandou MUITO bem :)

  6. Gui Christ disse:

    Sensacional !!! Parabens e muito orgulho de ser seu amigo!!!

  7. Algo que devia fazer parte desta lista: 1 Faixa Branca – Não enxerga – 1 Faixa Azul, enxerga 5 metros adiante de si – 1 faixa roxa enxerga 20 metros adiante, 1 faixa marrom enxerga 50 metros adiante, 1 Preta enxerga a 100! 1 Vermelha ou Coral, não precisa enxergar….

  8. Felipe Pires disse:

    Lembro muito bem a foto que originou o comentário do Carlinhos no item 3. hahahahahahaha

  9. Roben disse:

    Mto bom ! Parabéns.O BJJ é um mundo apaixonante mesmo, Oss!

  10. Yury Andrade disse:

    Muito bom…Parabens!!!!!!!

  11. Sensacional !
    Cada tópico mais interessante que o outro.
    Uns muito engraçados por sinal!rs…

    Parabéns por esses 10 anos Marcelo e que venham mais 100 anos! =)

  12. Iradoooooo, muito bom cara, parabéns!

Deixe uma resposta


Tags Relacionadas

Notícias Vídeos