Dossiê Lucas Lepri: como treina o campeão mundial que raramente toma pontos em campeonatos

Share it

Lucas Lepri em foto para a GRACIEMAG #238, por Gustavo Aragão

De 2007 até 2018, Lucas Lepri sempre figurou entre os maiores competidores da faixa-preta nos pesos leves. Com o título no Mundial deste ano, a fera acumulou cinco ouros mundiais, um pódio fechado com Michael Langhi em 2015, e habilidade de sobra para os fãs de Jiu-Jitsu estudarem com frieza, na figura de um atleta muito técnico que quase não leva pontos nos maiores torneios do mundo e executa seu Jiu-Jitsu com precisão nos tatames.

Para entender melhor o jogo justo de Lepri, conversamos com a fera e com Elan Santiago, primeiro professor de Lepri que hoje está radicado no Catar, e montamos este dossiê com as melhores dicas sobre o assunto para você blindar o seu jogo e se tornar um competidor ainda melhor.

Confira no artigo de capa da GRACIEMAG número #238, e para ler mais conteúdos de qualidade como este, assine agora a melhor revista de Jiu-Jitsu clicando aqui!

*

Qual é o dia mais feliz na vida de um faixa-preta de Jiu- Jitsu? Engana-se quem pensou numa medalha de ouro em Mundial. Apesar de ser um feito memorável, tal glória não é para todos, e é equiparada a um sentimento único: o dia em que o faixa-preta percebe que seu aluno é tão habilidoso e completo que é ca- paz de finalizá-lo de fato num treino. Tal experiência aconteceu com o fenomenal Lucas Lepri, hoje tri mundial dos leves, num certo rola ocorrido ali pelo fim do ano de 2002.

Seu professor, Elan Santiago, lembra com emoção daquele dia em Uberlândia, simpática cidade de Mi- nas Gerais. “Eu percebi que o Lucas estava evoluindo muito, e cheguei a comentar com um amigo que ele, em dois anos ou menos se bobear, se tornaria capaz de me finalizar. Ninguém levou fé no que eu disse. Acontece que, uns três meses depois daquilo, fomos treinar. O Lucas foi passando devagar, cruzando o joelho como eu ensinara, me baseando no estilo do Zé Mario Sperry, e chegou do lado matando um dos meus braços. Encaixou a kimura e não tive opção”, recorda Elan, até hoje um pouco emocionado.

“Fiquei deitado uns segundos, maravilhado, saboreando aquela transmissão de conhecimento que no Jiu-Jitsu fica cristalina. Parei o treino, reuni a turma e discursei que aquele era, de verdade, a ocasião mais feliz para mim no Jiu-Jitsu até então. O dia em que fui finalizado por um aluno meu. A partir dali comecei a botar minhas fichas em que o Lepri seria um dia o melhor peso leve da história dos Mundiais, com mais ouros na faixa- -preta do que qualquer um”, aposta o professor da Alliance.

Com 32 anos, Lepri ainda quer mais títulos além dos três ouros que tem, conquistados nos Mundiais da IBJJF em 2007, 2014 e 2016 – em 2015, Lucas fechou com Michael Langhi, que ficou com o título oficialmente. Mais do que as peças de ouro, contudo, Lepri coleciona a admiração dos seus colegas. Dos galinhos aos pesadíssimos, de Bruno Malfacine a Marcus Buchecha, outros muitos competidores, analistas, professores e árbitros o consideram um dos faixas-pretas mais técnicos, eficientes e completos do cenário atual do esporte. Um craque em estar sempre um passo à frente dos adversários, e que tampouco demonstra ter grandes brechas em seu Jiu-Jitsu. “Duas coisas impressionam nas lutas do Lepri: ele termina com o kimono seco e arrumado, e seus combates quase não fazem barulho. É só um suish, suish, suish, e o outro cara termina batucando”, exemplifica uma velha raposa do Jiu-Jitsu.

Mas o que o leitor, seja professor ou aluno, pode aprender com Lucas Lepri para saltar de patamar? A equipe GRACIEMAG estudou o elaborado jogo de Lepri, investigou suas quedas, sua guardinha sentada de gancho, suas passagens afiadas cruzando o joelho e outros muitos segredos, numa instrutiva tarde na Alliance Rio. A seguir, contamos o que extraímos de mais valioso.

IMITE O BOM EXEMPLO DE LUTADORES COMPLETOS
Garotão capoeirista, dono de uma base sólida e um domínio corporal invejável, Lucas Lepri começou no Jiu-Jitsu depois de se impressionar com umas lutas na TV. No caso dele, não foi Royce Gracie ou uma luta no UFC, mas um reality show curioso, intitulado “20 e poucos anos” e transmitido pela MTV no ano 2000. Um dos personagens era o jovem paulista Fernando “Margarida” Pontes, que vivia viajando pelo país e pelos EUA perseguindo o sonho de ser campeão mundial como faixa-preta – meta que atingiria em 2001. Lucas, ainda cabeludinho e com o apelido simpático de “Sansão”, foi tomado de admiração por aquele estilo de vida e foi experimentar o Jiu-Jitsu. Marga sempre foi seu ídolo nos tatames, e Lucas passou a admirar e perseguir o jogo ofensivo porbaixo e por cima, e em especial a finalização em todos os combates.

CONQUISTE UMA MENTE VENCEDORA E SEM BRECHAS
Lepri fez um senhor Mundial de Jiu-Jitsu em 2007, quando finalizou Celsinho Venícius e Michel Maia para abiscoitar seu primeiro ouro na faixa-preta. O que se seguiu foi um jejum angustiante, em que o craque batia na trave mas não voltava ao topo do pódio – o que só foi ocorrer novamente em 2014. Foi hora de amansar a mente e lapidar a cabeça de campeão. “Eu senti que o gás e a técnica estavam em dia, mas eu precisava treinar um pouco a parte mental para avançar aqueles centímetros que faltavam até o ouro. Li alguns livros de velhos técnicos e competidores, como por exemplo o “Psychology of Champions”, que o Rubens Cobrinha me indicou. Ali aprendi a perder o medo e a não me cobrar demais. Com a leitura aliada aos treinos duros, retomei a autoconfiança, e voltei a vencer.”

ABSORVENDO 70% DOS ENSINAMENTOS
Segundo o professor Elan Santiago, Lepri sempre teve um ouvido extraordinário para o aprendizado. “O normal é um aluno reter 30% da novidade que o professor demonstra. O Lucas compreendia mais de 70% desde a faixa-branca, já executava a técnica pedida com perfeição e incluía suas próprias variações”, destaca. Apesar de isso ser um dom, torna-se uma dica preciosa para qualquer praticante: é preciso absorver o máximo do que o instrutor está demonstrando. Para tal, atenção redobrada, silêncio e determinação para repetir o golpe ensinado sempre vão ajudá-lo a aumentar essa absorção da nova informação.

Se você sentir que está esquecendo rápido ou não está retendo bem o que foi aprendido, procure anotar num grande caderno/agenda cada técnica nova, e pergunte tudo ao professor até eliminar sua dificuldade naquela posição. “Um tipo de treino que eu gosto é o de repetir a posição para fixar, mas no treino à vera”, acrescenta Lepri. “Em vez de realizar cem passagens num colega deitadão ao estilo drill, eu procuro concretizar dez vezes aquele tipo de passagem contra um colega que está tentando me raspar. Vou, passo, finalizo, tento de novo, até o fim do treino”.

PROCURE EXECUTAR A “LUTA PERFEITA”
O que é realizar uma luta considerada perfeita no Jiu-Jitsu? Derrubar, passar a guarda, montar e finalizar, sem jamais deixarem encostar suas costas no chão. Se você buscar executar essa “luta perfeita” em alguns treinos, mentalizando que você não pode deitar de costas, sua sequência de ataques, suas quedas e transições para a vitória vão dar um salto de qualidade. Jamais negligencie sua guarda, mas escolha um dia ou alguma parte do treino para testar se você é capaz de uma “luta perfeita”.

QUEBRANDO A VAIDADE DO REI DA ACADEMIA
É uma rotina comum no Jiu-Jitsu um aluno evoluir muito na academia e, ao mesmo tempo em que ganha habilidade, é assombrado pela vaidade. A vaidade, porém, é uma das grandes inimigas da evolução do lutador, e precisa ser combatida na raiz. O aluno que se acostuma a ganhar sempre tende a ficar limitado, a apelar sempre para seu jogo mais forte. “Para se tornar um praticante de Jiu-Jitsu completo, é preciso enfrentar dificuldades diárias, e superá-las. Se o seu treino está fácil demais, algo está errado”, prega Elan Santiago. E como atacar esse problema? Quebrando a vaidade e derrubando o rei da academia de seu trono.

Se você é professor, crie desafios para seu aluno mais promissor, como dar mais um treino mesmo cansado, ou levando-o a ficar no centro passando ou raspando todos os colegas. Incentive um treino específico de defesa de costas quando já estiver cansado, e por aí vai. Se você é aluno, busque o treino mais difícil da academia, o cara mais pesado, depois o cara mais rápido, sem jamais se iludir que você é invencível. Ao acostumar-se a batucar ou passar dificuldades, o praticante vai abrir a mente e aprender novidades.

OBJETIVOS DE UM MINUTO
Para ser cada vez mais completo, não basta apenas ir à academia. Treinar todo dia vai fazer você ficar duro, atento nas defesas, mas se você quiser ser eficaz por cima, por baixo, na guarda, passando, e ter um arsenal de finalizações, você vai precisar dos treinos específicos, quando você afia separadamente cada aspecto do seu jogo. Um dos treinos que Elan Santiago gostava de puxar com Lepri era uma contagem regressiva de um minuto. Por baixo, o guardeiro tem somente um minuto para raspar e ficar por cima. Quando você estabelece um prazo para sua movimentação, você acelera seu jogo enquanto evita que o passador se acostume com sua guarda e perceba o que você vai tentar. Seja rápido e mortal, procure treinar de olho no relógio da parede.

TREINE SEM KIMONO PARA VERIFICAR A EFICÁCIA DE SUAS MANOBRAS
Lucas Lepri tem uma série de posições no seu arsenal que dependem da pegada na lapela, mas faz questão de ter um jogo tão eficiente com ou sem o pano. “Minha guarda sentada com ganchos e minha passagem cruzando o joelho eu executo sem o kimono com o mesmo grau de eficiência, não fico dependente da pegada”, explica o mineirinho de Uberlândia. Na Alliance, por sinal, toda sexta é dia de deixar o kimono no armário, num verdadeiro treino casual. Busque treinar sem o kimono de vez em quando para medir sua técnica numa situação com menos pontos de apoio, e muito mais escorregadia.

ESTUDE O TEMPO TODO
Elan relembra ainda que as técnicas que ia passando para o Lucas ao longo dos anos eram todas colhidas no melhor laboratório que havia: “Eu ia ver os campeonatos da CBJJ não apenas para torcer, mas para aprender. E voltava de lá com uma quedinha do Saulo Ribeiro, uma manobra nova do Fernando Tererê, uma passagem do Fabio Gurgel. Dali você vai para a academia e testa, tenta de novo, até compreender se aquela técnica é útil para você ou não, mas de qualquer modo ela não será surpresa quando alguém tentar encaixar em você”, define Elan.

CORPO BLINDADO, EVOLUÇÃO MENOS LENTA
Lucas Lepri jamais passou por uma cirurgia em sua vida de competidor, apesar dos treinos árduos e da centena de combates que realizou no Jiu-Jitsu. Para o mineirinho da Alliance, a parte física sempre foi fundamental para manter o corpo são e não perder treinos. “Desde que mudei para os EUA, em 2008, faço uma preparação sob orientação do meu treinador, Kevin. Faço muito treino de explosão, levantamento, elástico, pilometria, o que para mim tem funcionado de modo essencial para fortalecer meus ligamentos e o corpo em geral. Treino Jiu-Jitsu há 16 anos e nunca me machuquei seriamente, vejo o treino físico constante e consistente não apenas como um meio de turbinar meu gás, mas como uma prevenção de contusões”, ensina Lepri. “Outra coisa que me ajudou a não me machucar foi sempre dar os três tapinhas rápido, sem vaidade e sem deixar estalar”, conclui o campeão mundial.

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *