BJJ

Conheça a origem e a história do triângulo, o golpe mais brasileiro do Jiu-Jitsu

Share it
Bruno Frazatto finaliza no triângulo na seletiva do WPJJ em Gramado, em 2012. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

Faixa-preta campeão brasileiro, o guardeiro Bruno Frazatto encaixa o triângulo. Foto: Ivan Trindade.


[  Texto: Willian von Söhsten – Jornalista com pós-graduação em semiótica, faixa-preta de Cícero Costha e professor de Jiu-Jitsu da Team Nogueira em Ribeirão Preto, SP  ]

O triângulo não é um golpe exclusivo do Jiu-Jitsu brasileiro, ou sequer é invenção nossa. Mas a técnica de envolver o pescoço do oponente com as pernas passou a ser um grande cartão de visitas da arte suave. Por algum motivo, o nosso amado triângulo encontrou em solo brasileiro as condições ideais para proliferar, e ser aperfeiçoado. Alguns dos motivos? Sua eficácia e sua capacidade de amansar qualquer ofensor grandalhão.

Em artigo recente publicado no site dos irmãos Valente, o faixa-preta Julian Ortega relembrou a origem da técnica.

No judô, ele é conhecido como sankaku jime, ou “estrangulamento através do triângulo” na tradução. É difícil dizer quem de fato inventou o golpe, mas pesquisas apontam para o mestre Tsunetane Oda, um dos seguidores de Jigoro Kano que mais gostava de treinar no solo. Mestre Oda é também um dos principais nomes no Kosen Judô, uma vertente mais focada nas lutas de chão, porém ligada a Kodokan, como uma escola dentro de outra.

Ao que tudo indica, o triângulo começou sua trajetória nos dojôs de Jiu-Jitsu graças à inquietude de Rolls Gracie, que sempre ávido por aprender novas técnicas teria redescoberto o movimento num livro antigo de judô.

Grande mestre Pedro Valente era um que corroborava com a história: o faixa-vermelha afirmava que jamais vira o golpe ser executado pelos membros da família Gracie antes da década de 1970, apesar de registros em jornais mostrarem que a técnica era de fato conhecida por lutadores japoneses que viviam no Brasil, como Geo Omori, Takeo Yano e Yasuichi Ono.

Ono chegou a enfrentar Helio Gracie em 1935, e o jornal que anunciava o combate veiculava foto do japonês aplicando o estrangulamento com as pernas durante um de seus treinos. A luta entre Ono e Helio, por sinal, terminou empatada.

Um dos vídeos mais antigos onde o triângulo é documentado data de 1954. A cena mostra o mestre Tsunetane Oda aplicando um grande número de variações da técnica. É possível perceber que na execução do movimento com as costas no chão o braço do adversário não fica cruzado, mas reto, pronto para se aplicar uma chave de braço. Muitos vídeos posteriores a este mostram o triângulo sendo executado da mesma forma.

Por isso, ao que tudo indica, o Jiu-Jitsu brasileiro foi o responsável por refinar o golpe, uma vez que o ato de cruzar o braço do adversário diminui o espaço entre o ombro e o pescoço, aumentando consideravelmente a pressão exercida pelas pernas no entorno da garganta.

A fama viria mesmo por obra de Royce Gracie, quando este enlaçou Dan Severn no UFC 4, em 1994, deixando o mundo chocado ao ver o jovem atleta de 79kg esganar o veterano de 115kg com as pernas. Desde então o triângulo tem sido marca registrada dos lutadores de Jiu-Jitsu mundo afora.

E você, amigo leitor, sabe aplicar quantas variações deste temível golpe ancestral?

 

*** Artigo publicado originalmente em GRACIEMAG #241. Para não perder as melhores reportagens sobre o passado e o presente do Jiu-Jitsu, assine logo sua revista favorita, aqui.

 

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. Mario at 7:13 pm

    A técnica do triângulo foi trazida ao Brasil pelo judoca Alberto Carvalho do Flamengo. Obviamente já era utilizada, há várias décadas, no Japão.

  2. Francisco Brennand at 8:09 pm

    Jiu Jitsu é uma damelhores artes marcias do mundo.

    Mas duas verdades devem ser ditas;

    1. Hélio não criou nada. O jiu é japonês. O mérito da família gracie foi popularizar a arte,nada além disso.

    2. O jiu não é a arte mais completa pq n existe arte completa. Uma complementa a outra.

    Abraço e…

    Oss…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *